Contabilidade online – nova tendência

O Brasil é um dos países que mais empreende no mundo. Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que mais de 70% das pessoas preferem ter um negócio a serem empregadas. Com isso, são mais de 1,8 milhão de empresas abertas todos os anos no país. O que significa que são mais de 1,8 milhão de potenciais clientes para o mercado contábil. Mas, para atender aos novos empreendedores é preciso se moldar às necessidades que são apresentadas.

O mundo está cada vez mais ágil e tecnológico e, por isso, vários segmentos estão se reinventando e se adaptando às novas demandas, como é o caso da contabilidade. Escritórios clássicos estão dividindo espaço com plataformas digitais que prometem facilitar a rotina empresarial, além de reduzir os custos. Com a contabilidade online, o contador do futuro verá uma verdadeira revolução acontecendo, com grandes vantagens para se destacar em um mercado cada vez mais competitivo.

Essas plataformas têm a mesma função do escritório e possibilitam que profissionais autônomos, micro e pequenos empreendedores estejam em dia com as obrigações fiscais. O diferencial é acessibilidade, agilidade e economia nos serviços contábeis. Basta ter acesso à internet para emitir notas fiscais, por exemplo. Para isso, é preciso aliar bons profissionais, estratégia e tecnologia.

Nas atuais relações profissionais tempo é essencial, o que torna inevitável que os serviços sejam cada vez mais automatizados e ágeis. Com isso, viu-se a necessidade de otimizar processos, não só para o cliente, mas também para os escritórios tradicionais que já contam com softwares que facilitam a rotina organizacional.

Tratar tais inovações como algo ruim seria um retrocesso e é preciso valorizar essa evolução para que haja competitividade no mercado, controle, qualidade e segurança dos usuários. Além disso, é preciso que o governo tome posturas mais rápidas de forma que a legislação acompanhe os avanços tecnológicos, e os órgãos reguladores, fiscalizem os serviços prestados, observando se realmente são fidedignos e atendem às necessidades dos usuários. Cabe ressaltar que o Conselho no exercício de suas funções fiscalizou essas atividades onde foram apresentados todos os requisitos para continuarem prestando os serviços.

Entretanto, esse tipo de atendimento funciona melhor para negócios que não demandam grande complexidade fiscal, como profissionais autônomos ou empresas pequenas e médias. Negócios que necessitam de apoio estratégico também precisam de um auxílio contínuo na rotina. Nesses casos, os escritórios tradicionais atendem melhor.