Aplicabilidade da Governança Corporativa em empresas familiares

O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) define o termo como um sistema pelo qual as organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo relacionamentos entre proprietários, Conselho de Administração, Diretoria e órgãos fiscalizadores.

Os princípios e práticas da boa governança pode ser aplicada a qualquer tipo de organização, independentemente do porte, natureza jurídica ou tipo de controle e refere-se à administração de riscos e à geração de valor. É pensar na sobrevivência da empresa e no seu desenvolvimento no futuro. E, em empresas familiares, isso pode se tornar um verdadeiro desafio, já que é necessário dividir a função do proprietário da família e do gestor da empresa.

É extremamente necessário que haja uma divisão entre o relacionamento da família e o negócio. O que a governança corporativa faz é estabelecer distinção entre propriedade e gestão para que os herdeiros não tenham direitos de gestores, caso não estejam aptos.

Uma opção para fazer com que isso funcione é criar um conselho familiar independente do conselho administrativo, que vai definir quais os propósitos organizacionais em relação à comunidade.

A importância desse tipo de separação é ajudar na organização da família, da propriedade e da gestão, de modo a garantir a longevidade da empresa. Na prática, com a governança corporativa a administração passa a se basear nos princípios de transparência, equidade, prestação responsável de contas e responsabilidade corporativa.